19 de nov de 2012

Os sentidos de “Providência”



A palavra providência, do latim providentia, providentiae: conhecimento antecipado, referia-se, na antiga Roma, ao nome de uma divindade, que se representava sob a figura de uma jovem romana, com um vaso em forma de chifre na mão esquerda, e os olhos fixos num globo para o qual estendia uma varinha de condão que segurava na mão direita. O imperador Tito a fez representar com um leme e um globo; Maximiano por duas mulheres, ainda jovens, com espigas de trigos nas mãos, e esta inscrição: Providência dos deuses, tranquilidade dos imperadores. No âmbito cristão a Providência designa a ação pela qual Deus sustenta e governa o mundo, dirigindo todos os seres ao fim que se propôs: Divina Providentia.  Em outros aspectos, é o próprio Deus. Exemplos: de Joaquim de Macedo, em “Os Dois Amores”: portanto, nós temos primeiro sobre nossas cabeças Deus que nos observa atento. Porque órfão deve ser, e é a criatura predileta da Providência”;  de Camilo Castelo Branco, em “Amor de Salvação”: “As minhas desventuras não me davam férias para farejar as alheias. Se alguma vez me passou pela ideia a esposa infiel do feirante de bois e cevados, imaginei-a reconciliada com o marido, e assim duramente castigada pela Providência”; de Almeida Garret, em “O Arco de Sant’Ana”: “Era um ancião venerando, um daqueles raros homens que, no meio da maior corrução a Providência conserva sempre no mundo para que se não apague nunca de todo na terra a crença na virtude e a fé no poder do céu”; de Alexandre Herculano, em “Eurico, o Presbítero”: “Mas, se isto assim é, ao sacerdote não foi dado compreendê-lo; não lhe foi dado julgá-lo pelos mil fatos que no-lo têm dito a nós os que não juramos junto do altar repelir metade da nossa alma, quando a Providência no-la fizesse encontrar na vida”; de José de Alencar, em “O Guarani”: “Seria uma arma poderosa e invencível, contra a qual não houvesse defesa possível senão em um milagre da Providência?”;  de Eça de Queiroz, em “A Ilustre Casa de Ramires”: “Era pois inadiável correr ao Governo Civil, para bem da Ordem. E depois, quando ele se encontrasse no gabinete do Cavaleiro, diante da mesa do Cavaleiro - a Providência decidiria... - "A Providência decidirá!"; de Inglês de Sousa, em “O Missionário”: “Padre Antônio soltara um grande suspiro de alívio, acreditando na intervenção da Divina Providência.

---
É isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário