19 de nov de 2012

O segredo do “Bonzo”



"O Segredo do Bonzo” é o título de um conhecido conto do nosso Machado de Assis, o qual, segundo Alfredo Bosi é a apologia da ilusão como único bem a que aspiram as gentes. O termo é de origem japonesa, bozu: pessoa religiosa. O bonzo era nome genérico dado pelos portugueses aos monges budistas do Japão e da China. O termo denota ainda um indivíduo preguiçoso, uma pessoa medíocre, ignorante, sonso, fingido etc. Exemplos: de Machado de Assis, em “O Segredo Bonzo”: “Atrás deixei narrado o que se passou nesta cidade Fuchéu, capital do reino de Bungo, com o Padre-mestre Francisco, e de como el-rei se houve com o Fucarandono e outros bonzos, que tiveram por acertado disputar ao padre as primazias da nossa santa religião”; de Aloísio de Azevedo, em “O Japão”: “os poetas arribam da pátria com as asas sujas de sangue, e até os sacerdotes, os meigos bonzos de crânio raspado e túnica branca, dantes fechados na sua fé sinistra que lhes vedava comer carne, beber licores e tocar em mulheres, endurecem de alma e fazem-se guerrilheiros”; de Eça de Queiroz, em “O Mandarim”: “Senti-me triste; subi à liteira, cerrei as cortinas de seda escarlate todas bordadas a ouro; e cercado dos cossacos, eis-me entrando a velha Pequim, por essa porta babélica, na turba tumultuosa, entre carretas, cadeirinhas de charão, cavaleiros mongólicos armados de flechas, bonzos de túnica alvejante marchando um a um, e longas filas de lentos dromedários balançando a sua carga em cadência...

---
É isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário