21 de nov de 2012

Considerações sobre a “Ampulheta”


Ampulheta deriva seu nome de ambula (ou ampula), sendo o diminutivo desta palavra.  Ampula é um vaso de metal, cristal ou vidro, com gargalo estreito e corpo largo e redondo na parte inferior. São geralmente assim os vasos usados para armazenar os “óleos santos” da igreja. A ampulheta é assim chamada porque tem a forma de duas ampulas unidas pelos gargalos, sendo uma espécie de relógio, no qual, por um pequeno furo corre alternadamente, de um para o outro vaso, a areia com que se mede um determinado espaço de tempo. A ampulheta, que tinha por nome Clepsidra, era de água. Num relevo que se descobriu há muito tempo, no qual se representavam as núpcias de Tétis, vê-se Morfeu empunhando na mão esquerda uma ampulheta. A ampulheta com duas asas em sentido oposto na divisão dos vasos, era símbolo mortuário, sendo comum nos pórticos de muitos cemitérios. A idéia é mostrar que o tempo, simbolizado pelo relógio de areia, voa com a rapidez das aves, daí a sabedoria popular comparar a vida à sombra de um pássaro que nos sobrevoa, a poeira que o vento leva, a fumaça que o tempo dissipa etc. Exemplos: de José de Alencar, em “Ao correr da pena”: “O tempo corre, passam-se os dias, e o ano vai rapidamente chegando a seu termo; mais algumas semanas e ele cairá na eternidade como um grão de areia na ampulheta das horas”; de José Saramago, em “As Intermitências da Morte”: “A morte voltou a sentar-se, pôs de lado o verbete do músico e começou a escrever. Uma ampulheta de quatro horas teria deixado cair o derradeiro grão de areia precisamente quando ela acabou de assinar a ducentésima octogésima quarta carta”; de Aluísio de Azevedo, em “Casa de Pensão”: “A areia da ampulheta esgotava-se defronte da calva e dos bocejos do senhor presidente. Correu meia hora; Amâncio ergueu-se afinal, entregou a sua prova e saiu das sala, a esfregar, muito preocupado, os dedos das mão direita contra a
palma da esquerda.

---
É isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário