19 de nov de 2012

A origem da “Cruzada”


A palavra cruzada é formada por cruz, com acréscimo da desinência ada. As Cruzadas foram expedições militar e religiosa que visavam reconquistar Jerusalém do domínio dos muçulmanos: a Sacra crucis militia. A primeira Cruzada foi instituída na França pelo padre da Picardia, chamado Pedro o Eremita, que, ao retornar de uma romaria que fizera à Jerusalém, proclamou com grandes exageros os sofrimentos que supostamente teriam sidos vítimas os cristãos no Oriente, afirmando que era preciso resgatar o túmulo do Senhor e os lugares que ele havia santificado, os quais estavam sob poder dos “infiéis”. O Papa Urbano II autorizou esta Cruzada no Concílio de Clermont; o entusiasmo foi geral: todos queiram fazer parte da expedição, e cada um conduzia por insígnia uma cruz vermelha, da qual se derivou o nome de Cruzados. Pedro o Eremita foi o capitão desta turba, que estava composta de vagabundos, romeiros, frades, crianças e mulheres, mas que se dispersou antes mesmo de alcançar o seu destino. Pouco depois partiu o exército formado da cavalaria e da nobreza, sob o comando de Godofredo de Bulhões. Foi este exército que sitiou Jerusalém e a conquistou no ano de 1099. Godofredo recebeu o título de rei, e outros reinos pequenos se estabeleceram pela mesma ocasião no Oriente. Esta conquista foi objeto de um conhecido poema: “A Jerusalém libertada”, de Tasso. Em suas “Farpas”, Eça de Queiroz cita o nome do conquistador Godofredo de Bulhões: “compreende-se Godofredo de Bulhões, com a sua hercúlea natureza que resistiu inalterável às fomes, às sedes, às pestes, às guerras, a todas as tragédias da cruzada, soçobrando finalmente ao ter de embainhar a espada, e morrendo - por ter chegado!”

---
É isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário