25 de out de 2012

A Gíria Hebraica


Fuçando na maravilhosa Biblioteca da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), da USP, dei por conta do livro “Ressurgimento da Língua Hebraica”, uma coletânea de estudos de proeminentes filólogos e especialistas, do qual extrair alguns enxertos de autoria de Raphael Sappan,  professor de Língua Hebraica no Instituto Universitário de Haifa, texto este que aborda a gíria e os empréstimos linguísticos no contexto da Língua de Israel. Escreveu ele: “Qualquer principiante no estudo do hebraico pode distinguir imediatamente os termos de gíria que adquiriram popularidade e circulação na língua, tais como tembel, para “louco” ou “simplório”, hatikha (literalmente, “pedaço”), para “menina bonita”, herbon, para “desapontamento” ou “fracasso”, mapsut (do árabe), para “contente” ou “satisfeito consigo mesmo”, pantsher (sic, mas se trata, na verdade, do inglês “puncture”), para “infortúnio inesperado”, lebalef, para “enganar, trapacear” (derivado do inglês “to bluff”) e olami (literalmente, “mundial” ou “mundialmente famoso”), para “excelente” ou superior”. E, no que concerne à influência estrangeira no processo de formação das gírias no idioma hebraico, escreve ainda o professor: "Apesar de tudo, não se pode negar que o número de palavras estrangeiras no vocabulário da gíria israelense ainda é proporcionalmente maior do que em qualquer outra língua, e isto ocorreu principalmente no período inicial de restauração do hebraico como língua falada, quando tais termos e expressões constituíam a maioria. Há trinta anos, Daniel Persky, provavelmente o primeiro estudioso a pensar num estudo da gíria hebraica em evolução, observou que “sempre que discernimos uma certa vivacidade popular, aqui e ali, no uso de termos pungentes ou humorísticos, podemos ter certeza de que nos deparamos com enxertos estrangeiros”. Deve-se ter em mente que a referência que aqui se faz não se dirige somente ao que se toma emprestado de outras línguas, mas também ao que se pode chamar de decalques (isto é, palavras modeladas de maneira mais ou menos próxima às formas estrangeiras mas que consistem de material da própria língua em que são criadas). Também nesta área a gíria hebraica se caracteriza pela adição de sufixos estrangeiros, sufixos estrangeiros, especialmente -ist (como shekemist - empregado numa cantina (shekern) militar; por sua vez a palavra shekem formou-se das iniciais do termo usado no Exército Israelense Sherut Kantinot uMis’adot, isto é, “Serviço de Cantina e Restaurante”) ou -nik (como em jobnik “aquele que tem bom emprego”) e -tchik (sufixo diminutivo russo), como em katantcik  - “muito pequeno” ou “criancinha”... Esta transformação nos “valores da gíria” - por assim dizer - é mais evidente na gíria do Exército Israelense, a qual cria expressões coloquiais cheias de vivacidade e de fôrça. Os exemplos que se seguem, todos eles forjados nos últimos anos, dão urna idéia  da tendência hebraizante da moderna gíria israelense: basar tari (literalmente, “carne fresca”): recrutas; dapar, dapar efes -termo depreciativo que significa inepto, incompetente; hishkhil  (literalmente, “enfiar” ou “abrir roscas”):  desfechar um golpe ao inimigo; kadur toran  (literalmente, “bala de serviço”): bala “com endereço certo”; Hitqapel  (literalinente, “juntar, arrumar”): pronto para a fuga; Lasim et misehu al hakavenet  (literalmente, “fixar os olhos em alguém”):  olhar com suspeita ou com hostilidade para alguém; tafas shalva (literalmente, repouso “agarrado”):  furtar-se aos exercícios ou tarefas militares.

---

É isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário