29 de dez de 2012

O "Deboche" do "Debochado"

Deboche e debochado são termos oriundos do francês debauche, debauché, que quer dizer: devassidão, licenciosidade, dissolução, demasias, libertinagem etc.; devasso, licencioso, dissoluto, estragado, perdido, solto nos vícios etc. No Brasil adquiriu ainda o significado de zombaria explícita e veemente. Exemplos da Literatura: de Jorge Amado, em “Tocaia Grande”: “Apesar disso, frei Zygmunt, ao avistá-lo atento às palavras candentes do sermão, na primeira fila dos devotos, sentia as tripas se revolverem nas fanáticas entranhas: via a figura de Satanás, em carne e osso, o riso de deboche no rosto alvar”; de Júlio Ribeiro, em “A Carne”: “Pomba inocente, procurara por seu pé o açor, metera-se-lhe nas garras, e ele a conspurcara, não somente lhe arrancando a virgindade, mas debochando-a em práticas infames para despertarem os sentidos embotados...”; de Eça de Queiroz, em “O Primo Basílio”: “Mas isto bastava para que Sebastião o achasse um debochado, um perdido”; de Coelho Neto, em “O Turbilhão”: “Pois sim. Todos vocês são uns santos, eu é que sou o debochado, porque conto o que faço.”

---
É isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário