13 de nov de 2012

O significado de “Anfiteatro”


O termo anfiteatro vem do  grego amphithéatron, e significa: teatro dos dois lados. Segundo definição do nosso Aurélio: é um “antigo edifício oval ou circular, com arquibancadas e, no centro, uma arena, para espetáculos públicos, combates de feras ou de gladiadores, jogos e representações”. Caio Scribônio Curio foi o primeiro que mandou construir, em Roma, um amphitheatru, especialmente para os espetáculos que realizou por ocasião das exéquias de seu pai. Mandou construir dois teatros de madeira, encostados um ao outro, os quais depois da representação, podiam mover-se com todos os espectadores, de modo que tirando o cenário, os dois teatros formavam um anfiteatro onde se realizavam os jogos. O primeiro teatro permanente e de pedra foi mandado edificar por Pompeu (antes dele estas espécies de edifícios eram construídos para um tempo muito limitado). O maior anfiteatro de Roma e do mundo foi o Coliseu, idealizado por Augusto e iniciado por Vespasiano, e cujas ruínas, ainda hoje excitam a admiração. Cento e nove mil espectadores podiam assistir ali, à vontade, os combates da arena. O padre Antônio Vieira faz menção dele, no seu “Sermão de Todos os Santos”, realçando os mártires cristãos que ali eram lançados aos leões: “E que direi eu de vós, ó fortíssimo e luzidíssimo exército dos mártires, tão infinito no número como nos esquisitos gêneros de martírios? Se entro no anfiteatro de Roma, vejo-vos lançados às feras, ou lançados aos Neros, aos Décios, aos Dioclecianos, aos Trajanos, mais feros que as mesmas feras. A muitos de vós reverenciaram os leões, os ursos, os tigres, mas a nenhum perdoou a vida a impiedade mais que brutal dos tiranos, sempre mais obstinados e furiosos”. Sobre o mesmo assunto escreve no seu outro “Sermão da Primeira Dominga do Advento”: “Saía toda Roma ao anfiteatro, a quê? a ver e festejar como se matavam homens a homens; saíam uns, e sobrevinham outros, e outros, sem estar o posto vago um só momento, aclamando a cabeça do mundo, com aplausos mais carniceiros que cruéis, assim no dar, como no receber das feridas, tanto a intrepideza dos mortos, como a fúria dos matadores.”

---
É isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário