21/11/2012

O que era “Candeeiro”



A palavra candeeiro é formada de candeia, que é uma pequena peça de iluminação, abastecida com óleo ou gás inflamável que queima num pavio fumegante, especialmente de algodão. Antigamente candeeiro (ou candieiro) era o nome do oficial que fazia candeias de cera, que mais tarde se chamou de rolo. O candeeiro era diferente do cerieiro, que fazia velas, tochas e brandões. Exemplos: de Eça de Queiroz, em “A Ilustre Casa de Ramires”: “E na sala alta do Gago, ao cimo da escada esguia e íngreme que subia da taberna, a um canto da comprida mesa alumiada por dois candeeiros de petróleo, a ceia foi muito alegre, muito saboreada”; de Alexandre Herculano, em “Eurico, o Presbítero”: “A tenda era, de feito, a do esforçado filho de Muça. A mesa do banquete ainda vergava com os restos das iguarias: os brandões já gastos e os candeeiros mortiços derramavam uma claridade suave pelo aposento”; de Machado de Assis, em “Missa do Galo”: “Tinha comigo um romance, Os Três Mosqueteiros, velha tradução creio do Jornal do Comércio. Sentei-me à mesa que havia no centro da sala, e à luz de um candeeiro de querosene, enquanto a casa dormia, trepei ainda uma vez ao cavalo magro de D'Artagnan e fui-me às aventuras. Dentro em pouco estava completamente ébrio de Dumas”; de Graciliano Ramos, em “Vidas Secas”: “Os meninos sentados perto do lume, a panela chiando na trempe de pedras, Baleia atenta, o candeeiro de folha pendurado na ponta de uma vara que saia da parede.”

---
É isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário