24 de nov de 2012

O que é “Dilúvio”


Dilúvio, do latim diluvium, designa especialmente a grande inundação que foi enviada sobre a terra no tempo de Noé, a qual, segundo a Bíblia, foi consequência de um castigo de Deus por causa  da maldade humana. Por extensão de sentido, o termo passou a designar chuvas abundantes, torrenciais e demoradas, que alagam vastas extensões de terras, provocando cataclismos e inundações. A mitologia grega também faz menção de um grande dilúvio. Diz o mito que durante o reinado de Deucalião, rei da Tessália, os deuses ordenaram um dilúvio universal para castigar o homem por seu excesso de maldade, permitindo que se salvassem apenas Deucalião e sua esposa Pirra, por serem ambos de muito boa índole. Georges Hacquard, em seu “Dicionário de Mitologia Grega e Romana” escreveu sobre o assunto: “Um só casal devia escapar à destruição: Deucalião, rei da Tessália, filho de Prometeu, e sua esposa, Pirra. Com efeito, Deucalião, aconselhado pelo seu pai, sempre vigilante, construiu uma embarcação, na qual se refugiou com a sua mulher, esperando que a catástrofe terminasse. Durante nove dias, a terra foi sacudida por trombas de água, enquanto o navio navegava por entre as montanhas. Na aurora do décimo dia, a chuva parou. O nível das águas baixou e o barco encalhou no monte Parnaso, na Fócida.” De dilúvio tiveram origem muitas palavras, tais como: diluviano (ou diluvial): relativo ao dilúvio universal ou a outro dilúvio; diluviar: chover torrencialmente; diluvioso: que provoca inundação etc. Em “Crisálidas”, o nosso genial Machado de Assis  faz menção do episódio bíblico, com o poema que tem por título exatamente “Dilúvio”: 

---
O DILÚVIO (1863)

E caiu a chuva sobre a terra quarenta dias e quarenta noites. GÊNESIS — cap.7, vers. 12

Do sol ao raio esplêndido,
Fecundo, abençoado,
A terra exausta e úmida
Surge, revive já;
Que a morte inteira e rápida
Dos filhos do pecado
Pôs termo à imensa cólera
Do imenso Jeová!

Que mar não foi! que túmidas
As águas não rolavam!
Montanhas e planícies
Tudo tornou-se um mar;
E nesta cena lúgubre
Os gritos que soavam
Era um clamor uníssono
Que a terra ia acabar.

Em vão, ó pai atônito,
Ao seio o filho estreitas;
Filhos, esposos, míseros,
Em vão tentais fugir!
Que as águas do dilúvio
Crescidas e refeitas,
Vão da planície aos píncaros
Subir, subir, subir!

Só, como a idéia única
De um mundo que se acaba,
Erma, boiava intrépida,
A arca de Noé;
Pura das velhas nódoas
De tudo o que desaba,
Leva no seio incólumes
A virgindade e a fé.

Lá vai! Que um vento alígero,
Entre os contrários ventos,
Ao lenho calmo e impávido
Abre caminho além...
Lá vai ! Em torno angústias,
Clamores e lamentos;
Dentro a esperança, os cânticos,
A calma, a paz e o bem.

Cheio de amor, solícito,
O olhar da divindade,
Vela os escapos náufragos
Da imensa aluvião.
Assim, por sobre o túmulo
Da extinta humanidade
Salva-se um berço; o vínculo
Da nova criação.

Íris, da paz o núncio,
O núncio do concerto,
Riso do Eterno em júbilo,
Nuvens do céu rasgou;
E a pomba, a pomba mística,
Voltando ao lenho aberto,
Do arbusto da planície
Um ramo despencou.

Ao sol e às brisas tépidas
Respira a terra um hausto,
Viçam de novo as árvores,
Brota de novo a flor;
E ao som de nossos cânticos,
Ao fumo do holocausto
Desaparece a cólera
Do rosto do Senhor.


---
É isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário