24 de nov de 2012

Considerações acerca do “Destino”



A palavra destino vem destinar (destinare), que, no latim, tem o sentido de fixar, prender, segurar, firmar, determinar, resolver, nomear etc. Destinar, segundo dicionários, significa: determinar de antemão, fixar previamente, reservar algo para determinada finalidade etc. Na mitologia, Destino era filho do Caos e da Noite, a quem estavam submissos os homens, e o qual conduzia em sua mão uma urna contendo a sorte destes mortais. Era representado na figura de um ancião de austera aparência, tendo aos seus pés um globo terrestre.  Entre outros sentidos os dicionários de Língua Portuguesa dão as seguintes definições para o termo: encadeamento de fatos supostamente fatais, lugar a que se dirige alguém ou algo, o que há de vir, de acontecer etc. Exemplos de Machado de Assis, em “Dom Casmurro”: “Nem eu, nem tu, nem ela, nem qualquer outra pessoa desta história poderia responder mais, tão certo é que o destino, como todos os dramaturgos, não anuncia as peripécias nem o desfecho. Eles chegam a seu tempo, até que o pano cai, apagam-se as luzes, e os espectadores vão dormir”; em “Esaú e Jacó”: “Que importava saber o sexo do filho? Conhecer o destino dos dois era mais imperioso e útil”; em “Balas de Estalo”: “Mas tão depressa lhe dei essa resposta como recebi das mãos do destino um acontecimento deplorável, que me obriga a ser sério, na casca e no miolo”; em “Helena”: “Mendonça sentiu que metade de seu destino estava acabada, e que a outra metade ia começar, mais circunspecta que a primeira”; em “A Mão e a Luva”: “Um gesto, um só gesto, e é o meu destino que lhe entrego com ele, disse Guiomar olhando em cheio para o moço”; em “Ressurreição”: “Raquel estava mais tranqüila depois da conversa no jardim; mas, que destino teria a flor de sua alma, lírio transformado em goivo, vivido de lágrimas, medrado no silêncio?

---
É isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário