19 de nov de 2012

Acerca do “Suicídio”



Ao pé da letra suicídio é a morte perpetrada conta si mesmo. O suicídio era conhecido entre os gregos e os romanos no tempo de seu maior esplendor; porém, o que levava os gregos e romanos a dispor das suas vidas era quase sempre a honra e o medo da infâmia. Segundo o rabino Henry I. Sobel, em “Os ‘porquês’ do Judaísmo”: “O Judaísmo considera o suicídio um crime tão grave quanto o  assassinato. No cerne da doutrina judaica está o ensinamento de que nenhum ser humano é dono do seu próprio corpo, pois ele não se fez sozinho. Quando se fere o corpo ou a alma, comete-se uma ofensa contra a obra e a propriedade divinas. O Criador dá a vida, e somente o Criador tem o direito de tirar a vida. Por este motivo, alguns dos ritos tradicionalmente incluídos na cerimônia de sepultamento são negados ao suicida, e ele é enterrado numa parte do cemitério afastada dos outros túmulos. Existe, entretanto, uma opinião divergente: o suicida, no momento decisivo, não estava de posse de suas faculdades mentais, ele agiu inconscientemente. Portanto, não deve haver discriminação no sepultamento.” A questão da “honra” também foi causa de suicídio em nossa terra. Em “A Normalista”, Adolfo Caminha nos brinda com um exemplo: “Maria do Carmo, cada vez mais magra, sentido-se definhar dia a dia, descrente de tudo, tinha agora uma certeza cruel que a torturava barbaramente, a certeza que estava para ser mãe, de que muito breve o seu nome estaria completamente desmoralizado. Sentia bulir dentro de si uma coisa estranha, que lhe incomodava como uma perseguição, e mais de uma vez, nos seus momentos de grande desânimo, atravessara-lhe a mente a idéia sinistra do suicídio. Sim, preferia matar-se a assistir às exéquias de sua honra na praça pública, em todas as ruas da cidade, em todas as bocas.”

---
É isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário