29 de out de 2012

AAs Escolas Literárias: o “Parnasianismo”


Quanto à origem etimológica da palavra Parnasianismo, origina-se de Parnaso, que era o nome de um monte na Grécia consagrado a Apolo (deus das artes) e às Musas (entidades mitológicas ligadas às artes). O nome desse estilo tem origem na França, onde, a partir de 1866, publicaram-se três antologias de poemas denominadas Parnaso Contemporâneo. O nome Parnassus denomina o monte grego que, de acordo com a lenda, seria a morada dos poetas. O Parnasianismo, no sentido exato do termo, só existiu na França e no Brasil, não tendo ocorrido em Portugal. Quanto às suas origens no Brasil: Em 1878, ocorreu em jornais cariocas uma polêmica em versos que ficou conhecida como "Batalha do Parnaso", em que a poesia romântica foi atacada. Em 1882, Teófilo Dias publicou seu livro de poesias, Fanfarras, considerado o marco inicial do Parnasianismo brasileiro. Começava assim um movimento de reação à poesia chorosa e extremamente sentimental do Romantismo.  A inspiração inicial do Parnasianismo veio da França onde, em 1866,  publicou-se uma antologia poética intitulada O parnaso contemporâneo (Douglas Tufano: “Estudos de Língua e Literatura”). Além das características gerais da escola realista, o Parnasianismo zelava pela composição perfeita do verso, procurando fugir dos cacoetes românticos: a banalidade dos temas, o descuido das composições, o derramamento sentimental precisavam agora ser sanados pela razão, pela ciência e pelos valores supremos da época. Portanto, o Parnasianismo, na sua busca incessante de novos temas, novos processos poéticos (“A arte pela arte”), foi uma reação contra o Romantismo. Podemos sintetizar assim as principais características dessa escola: a) - perfeição está na forma; b) linguagem é, antes de tudo, correção e equilíbrio; c) sobriedade no emprego de figuras; d) musicalidade dos versos, adquirida na variedade de vogais; e) emprego de rimas raras; O a impassibilidade do poeta diante da obra; g) fuga dos sentimentos vagos para ter visão do real; h) riqueza vocabular, rima rica e condenação de hiatos; i) ênfase descritiva nos pequenos objetos, vasos, estatuetas, alfaias, flautas, taças etc.; j) culto da beleza escultural; 1) simplicidade artística; m) cultivo da “arte pela arte” (J. Milton Benemann e Luís A. Cadore: (“Estudo Dirigido de Português: Língua e Literatura”). Quanto ao autores inseridos na escola parnasiana, destaca-se: Olavo Bilac (1865-1918): Olavo Bilac publica, em 1888, Poesias, quando o Parnasianismo brasileiro já estava definido como um novo estilo, graças ao trabalho de Raimundo Correia e de Alberto de Oliveira. Olavo Bilac, o mais talentoso dos três, no prefácio de seu livro de estréia, sintetiza os princípios da “nova escola” no poema Profissão de fé (Maria da Conceição Castro: “Língua e Literatura”). Quando Olavo Bilac, aos 23 anos, lança, em 1888, o seu volume POESIAS, o Parnasianismo já estava consagrado como um novo estilo, graças aos trabalhos de Raimundo Correira (a primeira parte de Sinfonias, 1883) e de Alberto de Oliveira (Meridionais, 1884). Mas coube a 01 avo Bilac, o mais jovem e mais talentoso dos três, mas nem por isso necessariamente o melhor poeta, sintetizar as idéias da nova moda de escritura num prefácio em versos que abre o seu livro de estréia. Trata-se do poema “Profissão de Fé”, feito a partir de sugestões de um outro poema do mesmo teor chamado “L’art”, do poeta francês Theóphile Gauthier. E, segundo o testemunho da grande sensibilidade de Manuel Bandeira, a “Profissão de Fé” de Bilac “sustenta galhardamente o cotejo com a de Gauthier”. De fato, embora seja um poema sobre os princípios da nova estética, trata-se de um belo texto, que pode, e deve, ser admirado em si (A. Medina Rodrigues, Dácio A. de Castro e Ivan P. Teixeira: “Antologia da Literatura Brasileira”).


---
É isso! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário