23 de jan de 2012

Literatura rabínica


AVOT – "Pais". Tratado da Mishnah, sem comentário talmúdico. Contém os ensinamentos e as pregações religiosas e éticas dos sábios do século III a.C. ao século III d.C. Por sua relevância ética, o Avot foi incorporado ao ritual do Shabat, sendo recitado ao longo de todas as semanas que se estendem da Páscoa ao primeiro dia do mês de Elul, o qual abre, na piedade judaica, a estação litúrgica da consciência e do arrependimento.
BRAITA – De uma palavra que significa externo. Uma Mishnah que não faz parte da coletânea do rabi Judá Hanassi, sábio de Jerusalém, conhecido como o Patriarca ou o Príncipe.
GUEMARA – Na palavras de Emmanuel Levinas, é a “consignação por escrito das discussões levantadas pela Mishnah”. Pode ser definida, também, como um complemento ou ampliação da Mishnah. São os comentários de todos os amoraim (intérpretes, professores), a série de sábios que se inicia com Aba Arica (discípulo do rabi Judá, “o Príncipe”), até o último amorai, que completou a Guemara no século V.
HAGADÁ – "Mito, fábula, conto, folclore, parábola". É o nome do livro mais popular da literatura judaica, que apresenta, em formato de antologia, em esquema simples e espetacular, a origem do judaísmo. É lido na noite da véspera da Páscoa, no Seder. O pai relata ao filho a história do Êxodo. Os mais antigos manuscritos preservados da Hagadá remontam ao século XIII, não obstante a prática de narrá-la seja muito mais antiga. É o saber rabínico.
HALACHAH – De uma raiz que significa "ir". São as leis, os preceitos ou regulamentos. Em outras palavras: é a reunião da literatura rabínica referente ao direito.
HALEL – Nome talmúdico e ritualístico do conjunto de seis salmos que vai do 113 ao 118 na Bíblia hebraica. São recitados na Lua Nova e nas festas incorporadas à celebração familiar da Páscoa.
MAKOT – "Golpes". Tratado talmúdico cuja Mishnah é comentada na primeira parte deste livro. Consagrado às punições correspondentes às transgressões da Lei.
MEGUILÁ – Rolo. É o tratado do Talmud em que se encontra o Livro de Ester, passagem bíblica contida em um rolo separado em que se narra a história da salvação do povo judeu, por Ester e Mardoqueu.
MIDRASH – Exegese religiosa das Escrituras através de textos reunidos em livro compilado pelos mesmos sábios que organizaram o Talmud.
MISHNAH – Repetição, estudo. É a primeira parte do Talmud, e trata da hermenêutica das decisões, doutrinas e leis religiosas da Torá. Inicialmente, essas interpretações foram compiladas, organizadas e codificadas pelo rabi Judá Hanassi. A Mishnah divide-se em seis ordens: Zeraim (sementes), que discorre sobre o tempo e lugar das bênçãos ou outras orações requeridas; Moed (festas fixas), que trata dos dias santos; Nashim (mulheres), sobre assuntos relacionados à mulher e à família; Nezikim (danos), relativo aos direitos de propriedade e procedimentos legais, compensação de prejuízos, o tratamento correto aos empregados etc.; Kadashim (coisas sagradas), que trata de assuntos relacionados ao Templo; Taharot (purificações), aborda os tipos de impureza rituais e métodos para anulá-las.
TALMUD – "Estudo". É, depois da Bíblia, o livro mais importante para os judeus. Divide-se em Mishnah e Guemara, com inúmeros tratados. Ao todo, são 63 livros de leis, éticos e históricos, escritos pelos antigos rabis durante sete séculos, até sua primeira publicação, que data de 499 d.C., nas academias religiosas da Babilônia, onde vivia na ocasião a maior parte dos judeus. A esse Talmud da Babilônia soma-se o Talmud de Jerusalém, nomeado, como o outro, conforme o lugar em que foi redigido.
TANAKH – A Bíblia judaica (na linguagem cristã, o Antigo Testamento). Divide-se em: TORÁ – lei, doutrina (a Lei de Moisés). Na Septuaginta (tradução da Bíblia Hebraica para o grego) denomina-se Pentateuco, ao pé da letra: cinco livros (Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio); NEBIIM (profetas) – que engloba os livros de Josué, Juízes, Rute, I e II Samuel, I e II Reis (profetas anteriores) e profetas posteriores (Isaías, Jeremias, Ezequiel e os doze profetas menores); KETUBIM (escritos sagrados) – dos quais fazem parte os livros de Salmos, Provérbios, Jó, Cânticos dos Cânticos, Lamentações, Eclesiastes, Ester, Daniel, Esdras, Neemias, I e II Crônicas.
TOSSEFTA – "Suplemento". Reunião de muitas beraitot, organizada conforme o índice da Mishnah, porém com menos autoridade que esta.

É isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário