15 de jun de 2013

O que é “Ablução”?


Ablução é um termo de origem latina, ablutio, ablutonis: a ação de lavar, de limpar, de purificar. Na liturgia católica, diz-se da lavagem  das mãos que o padre efetua durante a missa, simbolizando a necessidade da extinção da culpa e sugerindo a purificação. Entre os antigos referia-se ao ritual de lavar os cadáveres antes do sepultamento, representando a purificação das manchas ou impurezas que houvera cometido enquanto vivos. O povo judeu sempre conservou este cerimonial. Para isto serviam-se de água bem quente, na qual imergiam flor de camomila e rosas secas, para em seguida lavar o cadáver. Entre os persas, a ablução no cadáver apenas era permitido com autorização de um juiz civil. Outro tipo comum de ablução ritualística encontramos na Bíblia, referindo-se ao ato de se lavar os pés, o que denotava sinal de humildade e respeito. Por exemplo, Jesus Cristo, que lavou os pés dos seus discípulos: “Depois deitou água na bacia e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido” (Jô. 13:5). Exemplos da Literatura, de Eça de Queiroz, em “Prosas Bárbaras”: “Se numa ceia, algum dos convivas faz a ablução sobre a testa, com a mão longa, em lugar de a fazer só com dois dedos, amaldiçoam-no, clamam pelas iras de Jeová e levantam-se escandalizados”; em “A Relíquia”: “Cumprimos as abluções; e Gamaliel, tendo purificado a boca com um pedaço de gelo, murmurou a oração ritual sobre a vasta travessa de prata, onde o cabrito assado fazia transbordar o molho de açafrão e saumura”; de Almeida Garret, em “Viagens na Minha Terra”: “Apresentou-nos o nosso amigo a sua mulher, senhora de porte gentil e grave; beijamos seus lindos filhos, e fomos fazer as abluções indispensáveis depois de tal jornada para nos podermos sentar á mesa”; de Alexandre Herculano, em “Lendas e Narrativas”: “Somente o murmúrio das novecentas fontes ou banhos públicos, destinados as abluções dos crentes, ajuda o zumbido noturno da suntuosa rival de Bagdá”; de José Saramago, em “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”: “José aproximou-se da talha das abluções, inclinou-a, fez correr a água sobre as mãos, e depois, enquanto as enxugava na própria túnica, louvou a Deus por, em sua sabedoria infinita...”

---
É isso!

2 comentários: