29 de out de 2012

O que é “Alopatia”


Segundo o Dicionário Aurélio, o termo foi introduzido por Hahnemann em cerca de 1850, com referência a qualquer outro método de cura que não o homeopático, e que, posteriormente, passou a abranger quaisquer outras práticas da medicina exercidas por médicos graduados em escolas não homeopáticas. O mesmo léxico dá a seguinte definição para o termo: “Sistema terapêutico que consiste em tratar as doenças por meios contrários a elas, procurando conhecer suas causas e combatê-las”. Na prática, opõe-se ao método denominado “homeopatia”. Etimologicamente tem origem no grego állosoutro, diferente, e páthos: doença, sentimentoO grande Machado de Assis aproveitou-se da “rivalidade” entre ambos os métodos (“alopata e homeopata”) para aplicar sua fina ironia em seu “Dom Casmurro”: “Não duvidaria aprovar a idéia, disse ele, se na Escola de Medicina não ensinassem, exclusivamente, a podridão alopata. A alopatia é o erro dos séculos, e vai morrer; é o assassinato, é a mentira, é a ilusão. Se lhe disserem que pode aprender na Escola de Medicina aquela parte da ciência comum a todos os sistemas, é verdade; a alopatia é erro na terapêutica. Fisiologia, anatomia, patologia, não são alopáticas nem homeopáticas, mas é melhor aprender logo tudo de uma vez, por livros e por língua de homens cultores da verdade...”; e, em “Balas de Estalos”: “Conheci um médico, que dava alopatia aos adultos, e homeopatia às crianças, e explicava esta aparente contradição com uma resposta épica de ingenuidade: — para que hei de martirizar uma pobre criança? A própria homeopatia, quando estreou no Brasil, teve seus ecléticos; entre eles, o Dr. R. Torres e o Dr. Tloesquelec, segundo afirmou em tempo (há quarenta anos) o Dr. João V. Martins, que era dos puros. Os ecléticos tratavam os doentes, "como a eles aprouvesse". É o que imprimia então o chefe dos propagandistas.”


---
É isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário